Cinema: Moonlight (2016)

Assisti Moonlight agora pela manhã…
Entendo que, mais do que qualquer coisa, é um obra necessária.
Dia destes, escrevi sobre a importância do cinema e das artes, como um todo, como proposta reflexiva e de busca de conhecimento, reconhecimento e autoconhecimento…
Neste ponto, o filme levanta questões absolutamente relevantes para a sociedade.
E é neste sentido que compreendo sua premiação também.
Fotografia muito boa mesmo, um bom roteiro, bons atores, uma história que acontece a todo instante, em todo lugar e, por isso mesmo merece ser vista e pensada.
Melhor filme? Neste sentido, dos que assisti até agora, e com a companhia de Lion, sim!
Como obra cinematográfica, não vou falar, até em respeito a tudo que envolve o filme, a começar por orçamento.
Ousadia e força. Assim pode-se iniciar uma revolução de pensamento.
Uma pena (e uma obviedade) ler as críticas negativas ao filme.
Mas o tom das críticas mostra exatamente a importância de se levar esta temática ao cinema.
É irônico perceber a retroalimentação daquilo que o filme joga na nossa face, a partir destas ofensas ao mesmo, disfarçadas de amor ao cinema e liberdade de expressão artística.
E uma pena, também, por mostrar que muita gente se recusa a enfrentar a realidade e seus próprios monstros internos.
Torci por outro filme. Aplaudo de pé a vitória deste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *